menu
Topo
Blog do Pediatra

Blog do Pediatra

Categorias

Histórico

Hiperatividade infantil: quando os pais devem se preocupar?

Dr. Sylvio Renan

09/09/2018 04h00

Ao perceber certa inquietude, falta de paciência, dificuldades em seguir regras e comportamentos impulsivos nos filhos, alguns pais recorrem ao médico pediatra em busca de explicações e confirmações se a situação se trata ou não de um caso de hiperatividade. Mas, o que seria de fato a hiperatividade? Afinal, toda criança tem energia de sobra, não é mesmo?

Hoje, abordo essa questão que causa preocupação aos pais e que é de grande valia esclarecermos para que se saiba identificar de maneira correta. A hiperatividade é uma condição de extrema energia, podendo ser motora ou mental.

Crianças que não conseguem ficar paradas ou sentadas por muito tempo, que não conseguem se concentrar no que é dito, que não tem o costume em seguir regras – mesmo que as tenham compreendido, que falam demais e interrompem as conversas, que se distraem com facilidade, que demonstram falta de paciência em momentos de espera ou abandonam pela metade alguma tarefa/brincadeira. Essas são algumas das atitudes que devem ser analisadas e notadas pelos pais e cuidadores.

Dito isso, explico que a disfunção pode se desenvolver em qualquer idade, sendo mais comum na infância, e que a identificação dependerá de diagnóstico especializado e multidisciplinar, envolvendo o pediatra, psicólogos e em alguns casos os neurologistas.

Vamos entender melhor os dois tipos desse distúrbio:

 

Hiperatividade motora – corresponde ao caso mais comum de observação dos pais, é o comportamento físico da criança, quando se agita muito, mesmo em momentos que não se exige tal movimentação como, por exemplo, ao assistir um filme ou desenho. Além disso, é comum demonstrarem dificuldades para dormir e falta de paciência para tarefas e até brincadeiras.

Hiperatividade cerebral – essa condição é mais complexa de se diagnosticar, pois faz com que a atividade e percepção da criança sejam aceleradas, tornando-o mais agitado, menos concentrado e com dificuldades em finalizar uma tarefa ou raciocínio; essa vertente do distúrbio pode ser percebida e monitorada pelos professores e cuidadores na escola. Geralmente, são essas as pessoas que primeiro conversam com os pais e transmitem o alerta.

Ainda que essas duas manifestações da hiperatividade sejam distintas, ambas acontecem no indivíduo hiperativo, mais ou menos acentuado, e em alguns casos tal manifestação pode ser em consequência de outra condição, como o TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade). O TDAH envolve alguns outros distúrbios de atenção e de comportamento, além de desenvolvimento social e escolar, por isso, a avaliação e o acompanhamento multidisciplinar são necessários para o tratamento contínuo dos indivíduos diagnosticados.

No caso da criança ser diagnosticada com hiperatividade ou TDAH é importante redobrar a atenção e vigilância em relação a mudanças de comportamentos, pois é comum crianças que apresentam tal condição sofrerem com o bullying e assim se isolarem de qualquer contato social – que pode prejudicar o desenvolvimento como ser humano e também gerar problemas mais sérios como a depressão infantil. Nesse quesito, é importante também que os pais deixem de lado o julgamento de senso comum, atribuindo como "preguiça" ou "molecagem" o comportamento da criança que pode estar sofrendo uma crise ou apenas manifestando o transtorno que possuí.

Acima de todas as informações na internet, da opinião de outros familiares e amigos, sempre que suspeitar do comportamento do seu filho, procure o pediatra e informe sua preocupação, somente o médico pode encaminhar ou atestar o pequeno para avaliação correta e completa.

Abraço,
Dr. Sylvio Renan

Sobre o autor

Dr. Sylvio Renan Monteiro de Barros é autor do livro "Seu bebê em perguntas e respostas - Do nascimento aos 12 meses" e do livro “Pediatria Hoje”|Formado pela Faculdade de Medicina do ABC. Especializações e títulos pela Unifesp/EPM, Sociedade Brasileira de Pediatria e General Pediatric Service da University of California - Los Angeles (Ucla). Atuou por quase 30 anos no Pronto Socorro Infantil Sabará e foi diretor técnico do Hospital São Leopoldo, cargo que deixou para se dedicar ao seu consultório, a MBA Pediatria, e à literatura médica para leigos.

Sobre o blog

O objetivo deste blog é fornecer informações básicas relacionadas à área da pediatria. São abordados, de forma didática, temas que permeiam o universo da saúde da criança, como primeiros cuidados, doenças mais comuns, vacinação e alimentação. Desta forma, não visa receitar qualquer conduta médica, mas sim proporcionar conhecimento para que os visitantes tenham mais autonomia na escolha de um pediatra para seus filhos.